A ASSOCIAÇÃO
PRIMEIRA PESSOA
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
notícia

As diferenças na educação entre Chile e Argentina

28/06/2017

Mobilização de estudantes chilenos colocou tema entre os assuntos prioritários do debate público; na Argentina, cobertura sofreu impacto da guerra entre governo Cristina Kirchner e imprensa

Takahashi (à esq.), Simonsen e Braginski
Alice Vergueiro/Jeduca

Lucas De Vivo

Lucas Domenico

Do Repórter do Futuro

 

As diferenças entre os sistemas educacionais do Chile e da Argentina e na cobertura do tema nos dois países marcaram o início, na manhã desta quarta-feira (28), do 1º Congresso de Jornalismo de Educação, organizado pela Jeduca, na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo. Participaram da mesa, mediada por Fábio Takahashi, da Folha de S. Paulo, Elizabeth Simonsen, da Universidade do Chile, e Ricardo Braginski, editor do diário argentino Clarín.

 

Braginski relatou que a educação não é um tema presente na agenda política e na grande imprensa do seu país. Enquanto isso, no Chile o assunto é decisivo nos debates da campanha presidencial deste ano.

 

Nenhum dos dois países conta com muitas publicações especializadas no assunto. Segundo Simonsen, tanto o jornal La Tercera quanto o El Mercurio já tiveram espaços diretamente focados em educação. Em função da crise econômica, porém, o La Tercera incluiu recentemente o tema na editoria Nacional.

 

Relação entre os movimentos estudantis e a imprensa

 

No Chile, segundo Simonsen, em princípio, a mídia criminalizava os movimentos estudantis ocorridos desde o início do século. Para a jornalista, autora de um livro sobre o tema (Mala educación), a solução foi se aproximar dos estudantes, para conhecer as ocupações e o movimento na sua intimidade.

 

O chamado Pinguinazo, em 2006, e as ocupações em 2011, levaram o tema ao centro da agenda política e jornalística do Chile, motivando a criação de editorias de educação e a ampliação do espaço dedicado ao tema em veículos daquele país.

 

A força política dos movimentos estudantis, como conta a jornalista, acabou por ofuscar a importância das fontes oficiais e dos próprios professores chilenos.

 

Internacional ou geral

 

Outro tema debatido durante a plenária foi a cobertura educacional entre os veículos latinos americanos. “Quem deveria cobrir as ocupações estudantis brasileiras na Argentina? A editoria internacional ou a editoria de educação?”, questionou Braginski.

 

Simonsen acrescentou que no Chile há pouco espaço para destaques internacionais na editoria de educação, a exemplo do que ocorre no Brasil.

 

Veto às fontes oficiais

 

A proibição de acesso às fontes oficiais argentinas durante o governo Cristina Kirchner também ganhou destaque durante o debate.

 

A "censura" do governo provocou uma crise de acesso a informações sobre educação, como de resto sobre outros temas da agenda pública, que impediu uma cobertura mais aprofundada sobre o tema.

 

O despreparo dos jornalistas locais para cobrir educação também foi mencionado pelo editor do Clarín. “Os jornalistas mais jovens ganham mais espaço e a cobertura fica superficial”, afirmou Braginski.

apoiadores
Itau Social
Itau
Instituto C&A 25 anos
Telefonica Fundação / Vivo
Fundação Lemann
CENPEC
Campanha Nacional pelo direito à educação
Parto Lauand
Todos pela educação
Instituto Ayrton Senna
Instituto Unibanco
Fundação Roberto Marinho
OEI
ABRAJI
Cooperação reperesentação do Brasil
JeffreyGroup
primeira pessoa