A ASSOCIAÇÃO
PRIMEIRA PESSOA
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
primeira pessoa - bastidores

Em busca do conhecimento

24/06/2016

Pesquisa apresentada durante debate que marcou lançamento da Jeduca mostra que 99% dos jornalistas que atuam com educação começaram sem conhecimento na área

Quase a totalidade (99%) dos jornalistas de educação começam no mercado de trabalho sem ter recebido qualificação para atuar na área. A formação ocorre no dia a dia profissional, predominantemente no ambiente de trabalho.

 

As informações foram apresentadas nesta quinta-feira (23/6) pelo jornalista Rodrigo Ratier, durante debate no 11o Congresso da Abraji, que marcou o lançamento da Jeduca. Cerca de 250 pessoas estiveram presentes.

 

Ratier, editor-executivo da revista Nova Escola, levantou os dados para sua tese de doutorado. Defendida em março na Faculdade de Educação da USP (Universidade de São Paulo), o trabalho acadêmico ouviu 92 jornalistas que atuavam no segmento educação na grande imprensa brasileira --mídia impressa e digital-- ao longo do ano de 2013.

 

A pesquisa evidencia que não há abordagem ou trabalho teórico consolidado voltado à cobertura de educação em cursos de graduação e de pós graduação de jornalismo no país. A influência escolar, portanto, é classificada por Ratier como "moderada" na formação do jornalista de educação. A família, com papel "importante", e o trabalho, "preponderante", exercem mais influência do que a escola na formação desse profissional, segundo as entrevistas.

 

No item específico sobre o ensino superior, 73% dizem que a formação universitária não contribuiu para a aquisição de conhecimentos sobre a área. "Na graduação, não há nada específico (para a cobertura de educação). Havia curso de pós graduação, mas hoje não existe mais", pontua o pesquisador, agora doutor em Educação pela USP.

 

Para Ratier, é necessário ao jornalista "a construção de um olhar com leituras mais acadêmicas" para qualificar e diferenciar a cobertura na área.

 

Com um questionário de 248 itens, o trabalho acadêmico fez um mapeamento detalhado que indica, entre outros pontos, que o perfil predominante dos jornalistas de educação é de mulher, jovem e branca. A maioria tem renda entre 5 e 10 salários mínimos, é da classe média econômica e da elite cultural, além de recusar posicionamentos políticos extremados. O trabalho completo pode ser visto em direitocontemporaneo.academia.edu/RodrigoRatier.

 

LANÇAMENTO DA JEDUCA

 

Participaram também do debate de lançamento da Jeduca o jornalista Antonio Gois, presidente da associação, o coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, e a superintendente do movimento Todos Pela Educação, Alejandra Velasco. A mediação coube à jornalista Renata Cafardo, diretora da Jeduca e repórter da TV Globo.

 

Além da falta de formação específica para o tema, foram abordados assuntos como o espaço e a cobertura destinados à educação na mídia, a maneira como o jornalista de educação trabalha dados e indicadores de avaliação escolar, a recente cobertura na mídia das ocupações de escolas públicas e os aspectos positivos e negativos da ascensão de "players" não-jornalísticos, tais como institutos, fundações e ONGs, na cobertura da área.

 

"É positivo que os empresários estejam envolvidos com a educação. O que preocupa é o amadorismo pedagógico. É preciso amadurecer mais o debate" afirma Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

 

Para Alejandra Velasco, superintendente do Todos Pela Educação, a educação ainda é um "setor frágil" em termos de presença na opinião pública e no orçamento público. "Temos que pensar a educação como um investimento não menos importante do que as estradas", diz Velasco, que acredita que a cobertura jornalística passa por um momento de qualificação das pautas que se referem a divulgações de indicadores e rankings educacionais.

 

Presidente da Jeduca e colunista de educação do Grupo Globo, o jornalista Antonio Gois salientou a importância da experiência do repórter dentro da escola, necessária para uma boa formação jornalística na área. Para Daniel Cara, há um "deficit" nesse ponto. "Falta (à mídia) falar do cotidiano das escolas", afirma.

 

Sobre a falta de comunicação da mídia com o chão da escola, Rodrigo Ratier destacou, durante apresentação de sua pesquisa, informação de que ao menos 18 Estados brasileiros mantêm dispositivos legais que limitam, de forma inconstitucional, manifestações ou entrevistas de professores para a imprensa, a chamada "Lei da Mordaça".

 

A informação foi levantada pela jornalista Fernanda Campagnucci e citada em sua dissertação de mestrado "Silêncio dos professores? Uma interpretação sociológica sobre a "ausência" da voz docente no jornalismo educacional."

 

"Este é um exemplo de um campo em que a Jeduca poderia atuar, explicando o que é a Lei da Mordaça e apoiando os jornalistas que desejam fazer entrevistas com professores e profissionais de educação das escolas", afirma Paulo Saldaña, um dos diretores da Jeduca.

apoiadores
Itau Social
Itau
Instituto C&A 25 anos
Telefonica Fundação / Vivo
Fundação Lemann
CENPEC
Campanha Nacional pelo direito à educação
Parto Lauand
Todos pela educação
Instituto Ayrton Senna
Instituto Unibanco
Fundação Roberto Marinho
OEI
ABRAJI
Cooperação reperesentação do Brasil
JeffreyGroup
primeira pessoa