A ASSOCIAÇÃO
PRIMEIRA PESSOA
GUIAS
NOTÍCIAS
EDITORA PÚBLICA
REDE
CONTATO
ASSOCIE-SE
LOGIN
Jeduca | Associação dos jornalistas de educação
notícia

Secretária: como reformar ensino médio com gasto congelado?

29/06/2017

Macaé Evaristo, de Minas, diz que lei parece ter sido aprovada para ser posta em prática 'daqui a 20 anos', referindo-se à emenda constitucional que limita os gastos públicos

Macaé: apreensão com transporte
Alice Vergueiro/Jeduca

Matheus Moreira

Do Repórter do Futuro

 

Sancionada em fevereiro pelo presidente Michel Temer, a reforma do ensino médio ainda é vista com reservas, mesmo por secretários estaduais de Educação. "Parece ter sido aprovado um plano para ser posto em prática daqui a 20 anos", disse a secretária de Minas Gerais, Macaé Evaristo, durante debate nesta quinta-feira (29) no 1º Congresso de Jornalismo de Educação. Ela se referiu à dificuldade de colocar em prática uma reformulação ampla em um cenário de congelamento de gastos públicos, determinado pela Emenda Constitucional 95, sancionada por Temer em dezembro.

 

Ainda que não houvesse o congelamento de gastos, porém, a implementação da reforma seria uma tarefa complexa. De acordo com levantamento do movimento Todos Pela Educação, cerca de 55% dos municípios brasileiros têm apenas uma escola de ensino médio regular. Além disso, as escolas não são obrigadas a oferecer todos os cinco itinerários formativos previstos na lei. Para alguns críticos, a soma desses fatores fará a reforma aprofundar desigualdades históricas do sistema de ensino brasileiro.

 

Na avaliação de Macaé Evaristo, para que a reforma dê certo há vários fatores envolvidos, especialmente para estudantes em situação socioeconômica vulnerável, de minorias étnicas e de gênero. Muitos desses fatores não têm sido abordados, como a questão do transporte. Segundo ela, a ampliação da carga horária nas escolas mineiras geraria uma crise no transportes na maioria dos 853 municípios do estado. 

 

Um dos principais interlocutores do governo na elaboração da reforma, o presidente do CNE (Conselho Nacional de Educação) e secretário de Educação de Santa Catarina, Eduardo Deschamps, defendeu a mudança. Disse que a lei também traz muitas oportunidades de inovação, quebrando a rigidez do atual modelo do ensino médio.

  

Questionado sobre repasses do governo federal aos estados e sobre as ações já encaminhadas pelas secretarias para se adaptarem à reforma, Deschamps afirmou que ainda é cedo para falar sobre investimentos. Ele disse que a reforma vai ganhar impulso e visibilidade com a conclusão da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) do ensino médio, que deve ser enviada ainda este ano pelo Ministério da Educação ao CNE, para ser homologada em 2018.

 

apoiadores
Itau Social
Itau
Instituto C&A 25 anos
Telefonica Fundação / Vivo
Fundação Lemann
CENPEC
Campanha Nacional pelo direito à educação
Parto Lauand
Todos pela educação
Instituto Ayrton Senna
Instituto Unibanco
Fundação Roberto Marinho
OEI
ABRAJI
Cooperação reperesentação do Brasil
JeffreyGroup
primeira pessoa